Resumo de Notícias: semana de 1º a 7 de junho.

Tempo de leitura: 6 minutos

Brasil

Produção industrial despenca 18,8% em abril.

Devido aos efeitos da pandemia de Covid-19, a produção industrial no Brasil despencou 18,8% em abril na comparação com março de 2020. Se a comparação for feita com o mês de abril de 2019, a queda é de 27,2%. O Brasil é o país com segundo mais casos da doença no mundo e o quarto em número de mortes.

COVID-19 no Sistema Prisional Brasileiro

O DEPEN anunciou no dia 29 de maio quea Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (PAMC), em Roraima, está há 20 dias sem nenhum novo caso de Coronavírus entre os presos da unidade. A atuação da Força de Cooperação do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), em ação conjunta com a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania (SEJUC), na instalação de novos procedimentos de combate à doença como distribuição de materiais de proteção aos presos, instalação de Postos de Barreiras Sanitárias e até uma comissão interna de servidores que atua na orientação e fiscalização do cumprimento dos protocolos, fez a diferença nos resultados efetivos para o combate à doença. O Brasil, se comparado a outros países, apresenta taxas relativamente baixas de contágio por Covid-19 em seu sistema penitenciário.

Saúde

Pouco tempo depois do presidente dos EUA Donald Trump anunciar que o país deixaria de contribuir com a OMS por ela ter ocultado informações sobre a gravidade do coronavírus com o intuito de beneficiar a China, o presidente Jair Bolsonaro ameaçou retirar o Brasil da Organização Mundial da Saúde (OMS), acusando a organização de trabalhar com “viés ideológico”. Caso Bolsonaro realmente decida romper com a OMS, essa decisão terá de ser aprovada pelo Congresso Nacional. O número de mortos no Brasil em razão da Covid-19 já ultrapassa 37.500 pessoas. O país vem se tornando, a cada dia que passa, o novo epicentro da pandemia.

Manifestações

Neste domingo, 7 de junho, mais uma vez, em sintonia com os protestos que se espalharam pelos EUA e por outras grandes cidades do mundo, depois da morte de George Floyd em Minneapolis, milhares de pessoas saíram às ruas das principais cidades do Brasil para protestar a favor da democracia, contra o governo do presidente Jair Bolsonaro e contra o racismo. Por outro lado, outras manifestações ocorreram em paralelo em apoio ao mandatário brasileiro.

Internacional

Acordo Mercosul-União Europeia

Na quarta-feira, dia 3 de junho, deputados holandeses aprovaram uma moção contra a ratificação do Acordo de Livre Comércio Mercosul – União Europeia. Os deputados holandeses, influenciados pela fala do ministro do Meio Ambiente brasileiro, Ricardo Salles, na qual é enfatizada a possibilidade de se aumentar a fronteira agrícola em direção à Amazônia enquanto a opinião pública e a imprensa estão preocupadas com o coronavírus, e com uma possível concorrência agrícola desleal, decidiram se posicionar contra o acordo que tinha sido aprovado em 2019.

Além disso, os deputados também apontaram que os seguintes elementos dificultam a ratificação do acordo pelo parlamento holandês: não há acordos no tratado UE-Mercosul que protejam a Amazônia ou previnam o desmatamento ilegal; os padrões agrícolas nos países do Mercosul são inferiores aos europeus e que o bloco europeu não tem meios de fazer cumprir esses padrões o tratado pode conduzir a um aumento significativo da concorrência desleal dos agricultores europeus; teriam ocorrido numerosas fraudes envolvendo carne brasileira destinada à exportação para a Europa.

É importante destacar que para que o Acordo de Livre Comércio Mercosul – UE, assinado há mais de um ano entre em vigor, é necessário que todos os parlamentos nacionais da UE e do Mercosul ratifiquem o tratado.

EUA anunciam doação de US$ 6 milhões ao Brasil

Os EUA anunciaram a doação de mais US$ 6 milhões para o Brasil com o intuito de combater a pandemia de Covid-19 que vem matando centenas de brasileiros diariamente. O governo de Donald Trump já tinha doado outros US$ 6 milhões ao Brasil. A embaixada dos EUA informou que o dinheiro deverá ser empregado principalmente no auxílio à população amazônica, servindo para melhorar as condições de saúde, de higiene e de saneamento.

Maduro e Guaidó chegam a acordo para buscar recursos contra a Covid-19

Na terça-feira, dia 2 de junho, o presidente venezuelano Nicolás Maduro e o líder da oposição Juan Guaidó anunciaram a um acordo, com o apoio da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), para encontrar recursos para conter a propagação do coronavírus na Venezuela. Assinado na segunda-feira em Caracas, o acordo estabelece prioridades para combater a pandemia, como detecção de casos ativos de covid-19, vigilância epidemiológica e tratamento adequado dos infectados. Dados oficiais do governo venezuelano afirmam que o país tem 1819 infectados e 18 mortes em razão da Covid-19. A ONG Human Rights Watch contesta esses números. Vale relembrar que a Venezuela passa por uma das piores crises econômicas já enfrentadas por um país latino-americano e que mais de 5 milhões de venezuelanos, segundo a ONU, já deixaram o país.

China aprova lei de segurança nacional para Hong Kong

O parlamento chinês aprovou quase que por unanimidade, no dia 28 de maio, a lei de segurança nacional sobre Hong Kong, na prática acabando com a autonomia política experimentada pela ex-colônia britânica desde a sua reintegração à China em 1997. O projeto de lei diz que ela deverá “impedir, deter e reprimir qualquer ação que ameace de maneira grave a segurança nacional, como o separatismo, a subversão, a preparação ou a execução de atividades terroristas, assim como as atividades de forças estrangeiras que constituem uma interferência nos assuntos de Hong Kong”. A aprovação imediatamente desencadeou protestos em Hong Kong e o início da criação de sanções pelos EUA contra a China.

Reino Unido ameaça conceder visto para 3 milhões em Hong Kong

Após o governo chinês anunciar a aprovação da lei de segurança nacional sobre Hong Kong, o governo do premiê britânico Boris Johnson anunciou que pode conceder visto de residência para 3 milhões de cidadãos de Hong Kong como forma de desencorajar a aplicação da lei na ex-colônia britânica. O governo chinês pede que o Reino Unido não se intrometa em seus assuntos internos. A China busca reduzir a autonomia de Hong Kong, território que vem sendo marcado por constantes protestos contra a autoridade do Partido Comunista Chinês e pela democracia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *